Descubra aqui qual o salário mínimo na Austrália e qual seu poder aquisitivo!

Para quem deseja aprimorar um novo idioma, conhecer novas culturas ou tentar uma melhoria de vida em um novo país, o dinheiro é um fator decisivo. Na Austrália, o salário mínimo é considerado atualmente o maior do mundo — o que acaba motivando a ida de novos intercambistas, tanto para os que buscam estudar e trabalhar quanto para os que vão somente trabalhar.

O salário mínimo na Austrália é regulamentado pelo governo — assim como no Brasil. O órgão governamental que controla o salário mínimo do país e as suas renovações é o Work Fair, que é a Justiça do Trabalho local.

Neste post você vai descobrir qual o valor do salário mínimo atual na Austrália e as suas diferenças para o salário brasileiro. Continue a leitura!

Qual o salário mínimo na Austrália?

De acordo com a Work Fair — órgão responsável pela regulamentação do salário mínimo na Austrália —, desde 01 de julho de 2019, o salário mínimo base no país é de AU$ 19,49 por hora, ou AU$ 740,80 por semana, com base em 38 horas de trabalho semanais. Assim, somando cerca de AU$ 2963,20 por mês.

No Brasil, desde 01 de fevereiro de 2020, o piso do salário mínimo está no valor de R$ 1045,00, uma alta de 4,7% referente ao valor de 2019.

Analisando os valores atuais de forma básica e convertendo na taxa média do dólar australiano, com a cotação de AU$ 2,94, em real, o salário mínimo australiano fica no valor de R$ 8711,81. Isso quer dizer que, atualmente, o salário mínimo na Austrália está cerca de oito vezes mais alto e mais valorizado que o salário mínimo no Brasil.

Qual a diferença de poder aquisitivo entre Austrália e Brasil?

Como o salário mínimo na Austrália é de um valor bem mais elevado, o custo de vida no país pode aumentar na mesma dimensão. De acordo com o Numbeo — plataforma especializada em comparar custos de vida ao redor do mundo — em um comparativo entre Sydney e São Paulo, a cidade australiana apresenta, no geral, o custo de vida de quase 100% acima do valor médio da cidade paulista.

Porém, em questão de poder aquisitivo, quem trabalha na Austrália consegue adquirir bens, manter um padrão de vida confortável e viver em um país de primeiro mundo, com menos horas trabalhadas do que as pessoas que vivem em São Paulo, por exemplo.

Como ir à Austrália para trabalho?

De acordo com o seu objetivo, existem diversas formas e vistos de entrada para quem deseja ir para a Austrália como intercambista, seja para estudar, trabalhar e estudar ou somente para trabalhar.

Os vistos mais simples de serem obtidos são o visto de turista, em que não há permissão de trabalho, e o de estudante, para cursos com duração mínima de 14 semanas — a permissão de trabalho vem com o visto, o que possibilita que a pessoa trabalhe por até 40 horas quinzenais.

O Working Holiday Visa é um visto para quem deseja uma experiência cultural e profissional na Austrália e tem validade de 12 meses. Porém, só é elegível para passaportes de nacionalidade de países que apresentam acordo com a Austrália, como Bélgica, Canadá, Chipre, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Hong Kong, Irlanda, Itália, Japão, Coreia, Malta, Holanda, Noruega, Suíça, Taiwan e Reino Unido.

A Austrália é uma economia de primeiro mundo, com paisagens paradisíacas e um estilo de vida extremamente confortável para a população local e para os intercambistas, além de ter o salário mínimo mais alto do mundo, o que a torna um país ainda mais atrativo para quem deseja uma melhoria de vida.

Neste artigo vimos detalhes sobre o salário mínimo na Austrália, suas diferenças em relação ao salário mínimo brasileiro e como ingressar neste país da Oceania. Além da sua qualidade de vida e hospitalidade, é um país com diversas oportunidades de crescimento pessoal e profissional para os intercambistas.

Gostou do artigo e quer saber mais? Então assine a nossa newsletter para receber as novidades sobre a Austrália em primeira mão!

Mail