Intercâmbio depois dos 30: o que muda e quais as indicações?

Fazer um intercâmbio depois dos 30 anos está cada vez mais comum entre os brasileiros. Essas viagens que, muitas vezes, eram sonhos para os jovens, têm se tornado realidade também para adultos.

O melhor é que existem programas específicos para quem quer estudar e morar fora do país por um tempo. Neles, a pessoa ainda conta com uma estrutura toda voltada para o seu perfil.

Quer saber quais são as curiosidades de se fazer um intercâmbio depois dos 30 e como essa pode ser a oportunidade da sua vida? Continue a leitura e anote todas as dicas que separamos abaixo!

É comum fazer um intercâmbio depois dos 30?

Para viajar, aprender ou conhecer novas pessoas e lugares, não tem idade. O fato é que, quando se trata de programas de intercâmbio, nós quase sempre os associamos a viagens de estudo (na maioria das vezes, para jovens de 17 a 25 anos).

Isso se dá porque, geralmente, os pais bancam os gastos como uma forma de investimento no futuro dos filhos. No entanto, quem não teve essa oportunidade ganha a chance, um pouco mais velho, de tentar realizar o sonho por conta própria.

Um estudo da Brazilian Educational & Language Travel Association (BELTA) mostrou que, entre 2015 e 2017, o número de pessoas que buscam fazer um intercâmbio depois dos 30 cresceu em 30%. A tendência é essa porcentagem aumente nos próximos anos.

Qual é a diferença de se fazer um intercâmbio depois de adulto?

Os programas têm, normalmente, os mesmos formatos. Você pode optar por ficar na casa de famílias locais ou em dormitórios das instituições de ensino, por exemplo. Os vistos também dão os mesmos direitos e vantagens independentemente da idade.

Em determinados destinos, como Austrália e Nova Zelândia, você vai poder trabalhar legalmente durante seu período de estudos. A principal diferença está no tipo de curso escolhido.

No caso do idioma, por exemplo, há programas para o aprimoramento do inglês voltados exclusivamente a adultos. Além disso, cursos de graduação ou pós podem ser excelentes opções para os trintões darem continuidade aos estudos fora do Brasil.

Quais são a principais vantagens do programa para essa faixa etária?

O programa de intercâmbio é sempre uma oportunidade para expandir os horizontes pessoais e profissionais — seja com 17, seja com 30 anos. Porém, no segundo caso, há algumas vantagens extras para o intercambista mais maduro.

Afinal, você já tem uma segurança financeira nessa idade, é independente e adquiriu mais experiência de vida. Tudo isso conta muito e pode fazer toda a diferença em sua viagem. Quer conferir algumas vantagens com mais detalhes? Veja abaixo.

Mais liberdade e autonomia

Se você sempre sonhou em fazer aquele intercâmbio quando era mais jovem, achando que ia aproveitar mais, vamos provar que, aos 30, tem motivo de sobra para curtir também (e com muito mais possibilidades, se bobear). Lembre-se de que a grana agora é sua e você não vai precisar depender dos pais para decidir o que fazer. Será possível sair, viajar, alugar carro e passear com toda a liberdade do mundo!

Oportunidades profissionais decisivas

Imagine ser contratado por uma empresa internacional durante a etapa mais produtiva de sua vida? Aos 30, você já tem experiência profissional suficiente, cursos de capacitação e maior conhecimento de mercado, entre outras coisas.

Tudo isso soma pontos positivos em seu currículo e pode favorecer na escolha de uma oportunidade de trabalho lá fora. Sinceramente, nessa idade não se pode deixar passar nenhuma chance dessas, não é mesmo?

Experiência de vida

Você pode até já ter viajado para o exterior, mas nada se compara a um intercâmbio quando o assunto é experiência de vida. Ter a chance de morar, estudar e trabalhar em território estrangeiro é a mais valiosa recompensa de quem opta por um programa do tipo.

A vantagem de fazer isso após os 30 é que você está mais maduro e tem mais facilidade para se relacionar ou se virar por conta própria. Além disso, é possível ter contato com pessoas da mesma faixa etária. Sem dúvidas, trata-se de algo a ser levado pela vida inteira.

Maior planejamento financeiro

O intercâmbio após os 30 é uma excelente oportunidade de reforçar aquela sua poupança. Receber um salário em moeda mais valorizada dá a possibilidade de juntar uma grana extra e voltar ao Brasil com a carteira recheada.

Há de se convir que, quando chegamos a determinada idade, as responsabilidades e os planejamentos são bem diferentes, concorda? Aos 30, sem dúvidas, você vai saber gerir melhor suas finanças e priorizar seus gastos de uma forma bem mais consciente.

Quais são as melhores opções de destinos?

As opções são infinitas. No entanto, é recomendado levar em consideração alguns pontos importantes, como:

  • a adaptação ao clima diferente;
  • o valor da moeda local;
  • a cultura;
  • os costumes;
  • a facilidade na obtenção dos vistos;
  • as oportunidades de cursos e trabalhos.

Para os brasileiros, a Oceania é uma das opções mais favoráveis atualmente — em especial quando se trata de todos esses aspectos citados. Quer mais algumas vantagens para escolher a Austrália ou a Nova Zelândia em seu intercâmbio depois dos 30? Veja abaixo:

Essas foram nossas dicas sobre o intercâmbio depois dos 30. Mesmo que ainda faltem alguns anos para você chegar a tal faixa etária, tenha certeza de que essa idade pode ser o melhor momento para agarrar as oportunidades que uma viagem do tipo tem a oferecer. Não acredite que já passou o tempo para aprender e se aventurar: essa é a hora! Você jamais se arrependerá de sua decisão.

Curtiu? Já se imaginou morando, estudando e trabalhando na Oceania? Então, entre em contato conosco, pois queremos apresentar todos os nossos programas de intercâmbio e ajudar você a realizar seu sonho!

Mail