taboola

Visto para Nova Zelândia: tire aqui suas dúvidas

Você quer fazer um intercâmbio a fim de melhorar seu currículo? Certamente, experiência internacional e inglês fluente vão levar sua carreira para o próximo nível. Com esse fim, a Oceania é um excelente destino, ainda mais se considerarmos as opções de visto para Nova Zelândia.

Esse país oferece educação de alto nível e qualidade de vida extraordinária. Além de contar com clima próximo ao do Brasil, o que é ótimo para os brasileiros. Isso facilita, inclusive, a escolha do momento para começar o intercâmbio e o seu planejamento.

A fim de que você saiba como conseguir o visto para Nova Zelândia e possa ter isso em conta em sua decisão, elaboramos este artigo. Continue a leitura e confira!

Isenção do visto para Nova Zelândia

Você sabia que os brasileiros não precisam de visto prévio para ficar na Nova Zelândia por até 90 dias? É verdade! Uma permissão é concedida ao chegar no país, sem nenhum custo. Com esse documento, você poderá estudar por até 12 semanas, mas não será possível trabalhar.

Caso queira prorrogar sua estadia na Nova Zelândia ou dar continuidade aos seus estudos, é possível pedir um novo visto sem sair de lá, mas certifique-se de fazer isso com, pelo menos, um mês de antecedência da data de expiração de sua permissão. Ficar no país além da data permitida é uma infração grave e pode implicar na sua deportação.

Embora esse trâmite pareça simples, fique atento a alguns detalhes importantes. Se, em sua chegada, os agentes de imigração concluírem que seus propósitos são diferentes do que declarou, você volta para o Brasil no próximo voo. Portanto, para aproveitar esses 90 dias de isenção de visto na Nova Zelândia sem dores de cabeça, apresente os seguintes documentos à imigração:

  • passaporte brasileiro: com validade mínima de 3 meses após a data de saída da NZ;
  • comprovante de fundos: comprovar que tem, pelo menos, NZ$ 1000,00 por mês de estadia. Isso pode ser feito por meio de dinheiro em espécie, cheques de viagem ou fatura do cartão de crédito. Caso já tenha pago pela acomodação, o valor a ser comprovado é de NZ$ 400,00 por mês;
  • passagem de volta: apresentar bilhete de retorno ao Brasil, ou a reserva dele, com data marcada e prazo máximo de 90 dias da sua chegada à Nova Zelândia;
  • comprovante de matrícula: apresentar a carta de aceite da escola em que fará seu curso e o comprovante da matrícula;
  • local de hospedagem: indicar onde ficará hospedado;
  • comprovante de vínculo com o Brasil: apresentar documentos que comprovem seu vínculo com o país de origem. Ainda que você não esteja empregado, nem estudando no momento (cartas de empregadores e faculdades são boas opções), encaminhe documentos de propriedade de bens, como imóveis e carros;
  • seguro de viagem internacional.

Seguindo esses procedimentos e se preparando com antecedência, a sua experiência de intercâmbio em terras neozelandesas será excelente. Certamente, você retornará ao Brasil com seu inglês em um novo patamar e com uma experiência internacional que enriquecerá o seu currículo.

Visto de estudante

Se vai estudar na Nova Zelândia por mais de 90 dias, prepare-se para solicitar o visto de estudante. O processo é um pouco mais complexo e demorado do que a opção anterior, portanto, você deve se organizar com antecedência.

Para ser elegível ao visto de estudante com permissão de trabalho, é preciso estar matriculado em um curso com duração de, pelo menos, 14 semanas em uma escola de inglês que seja da categoria 1.

Os procedimentos necessários para a obtenção de seu visto de estudante são:

  • efetuar o pagamento do curso escolhido e receber a confirmação de matrícula da escola;
  • comprovar que tem acesso a fundos financeiros a fim de se manter no país (NZ$ 1250,00 para cada mês de permanência na NZ). Caso seus pais sejam responsáveis por essa comprovação, é preciso apresentar o formulário INZ1014 e extratos bancários;
  • demonstrar que suas intenções de estudos são genuínas, que vai respeitar as condições do visto e que, ao término do curso, retornará ao seu país;
  • apresentar documentos sobre o seu histórico acadêmico e profissional (certificados e diplomas, carteira profissional, entre outros);
  • apresentar provas de vínculos com o seu país (documentos de bens como imóveis e veículos, vínculos familiares, profissionais, acadêmicos, entre outros);
  • para permanência acima de 6 meses, o estudante deverá realizar um Raio-X de tórax junto a um médico credenciado pelo governo neozelandês.

Permissão de trabalho

Ao ter o seu visto de estudante aprovado, você terá a permissão de trabalho part-time (20h semanais). Em alguns casos, o estudante poderá trabalhar full-time (40h por semana), durante as férias ou breaks escolares. Mas atenção: se o Departamento de Imigração julgar que os seus planos de estudar na NZ não são legítimos, o seu visto poderá ser concedido com a condição Limited. Isso lhe tira o direito de trabalhar enquanto estuda e ainda impede que você solicite outro visto dentro da NZ.

Para ter certeza sobre as condições impostas em seu visto, verifique a carta de concessão no momento em que ela for aprovada. Dessa forma, você garante que seu intercâmbio será marcado apenas por bons momentos e que ficará longe de problemas com a imigração.

Como você pôde observar, o processo de visto para Nova Zelândia é cheio de detalhes. Por isso, é importante confiar em uma agência especializada para cuidar disso.

O intercâmbio vai demandar muita preparação e organização financeira. Você terá que tomar muitas decisões junto à sua família, organizar sua vida e seu emocional. Portanto, é importante ter profissionais capacitados e eficientes para auxiliá-lo nas partes burocráticas, como no caso da emissão do visto.

Além de tudo, certamente você não quer correr o risco de deixar passar algum detalhe e emperrar logo essa etapa do processo, não é mesmo? Por isso, conte com uma equipe que facilite sua vida na hora de obter o visto.

Agora, você já sabe como fazer a fim de conseguir o visto para Nova Zelândia e pode analisar suas opções junto a seus familiares. Para ficar ainda mais informado, leia também nosso artigo sobre os melhores destinos na Austrália.

Ciência sem Fronteiras – um programa do governo brasileiro

O Programa Ciência sem Fronteiras tem como objetivo ampliar os conhecimentos dos estudantes brasileiros através do intercâmbio de estudos com os mais renomados centros de pesquisa de todo o globo.

O investimento nesses jovens estudantes é também um investimento no futuro do Brasil, visto que o Programa busca expandir e internacionalizar a ciência e a tecnologia do país nas áreas de Engenharia, Ciências Exatas e Biológicas, Saúde, Computação, Tecnologia, Meio Ambiente e Indústrias Criativas através da qualificação dos estudantes.

A inovação e a competitividade do mercado nacional avançará em conjunto com a maior profissionalização dos nossos alunos.

– See more at: https://australiancentre.com.br/site/ciencia-sem-fronteiras/#sthash.jhpy9GvR.dpuf

Estudar na Austrália com bolsa do Governo Federal

As modalidades de bolsas são as mais diversas, desde a Graduação até Pós-Doutorado. Já as modalidades de bolsas no Brasil são da atração de cientistas, pesquisador visitante especial e a bolsa de jovens talentos.

Fazer um intercâmbio gratuitamente com uma bolsa oferecida pelo Governo Federal é uma oportunidade que você precisa aproveitar.

O Programa Ciência Sem Fronteiras feito para você

O Programa Ciência Sem Frontreiras é uma iniciativa promovida pelo Governo Federal que oferece um estágio para alunos de graduação e pós-graduação no exterior com o objetivo de manter contato com sistemas educacionais competitivos em relação à tecnologia e inovação. Desta forma, o programa Ciência Sem Fronteiras visa aprimorar os conhecimentos do aluno, para que ele volte ao país e utilize o que ele aprendeu no Brasil, desenvolvendo a área tecnológica daqui.

Por outro lado, há também a independência e o aprendizado, que são muito válidos. Aprender a administrar seu tempo e seu dinheiro sem a ajuda de ninguém, bem como conhecer pessoas e culturas diferentes não tem preço. Intercâmbio é uma lição para vida toda e uma experiência única. Só quem fez sabe o que é.

Crescimento profissional com o intercâmbio

Outro ponto positivo é o crescimento profissional, já que fazer intercâmbio nos dias de hoje é de extrema importância para muitas empresas que valorizam essa experiência, preferindo contratar candidatos que já a possuem tal vivência. Isso porque um intercâmbio ensina a ser mais independente, te obriga a aprender outra língua – a do país de destino – e a se adaptar a ambientes diferentes do que aquele que o intercambista está acostumado.

Muito estudo, muita alegria, muito aprendizado, saber lidar com as dificuldades sozinho, arcar com as consequências dos seus atos e se tornar mais responsável são apenas alguns dos tantos benefícios de um intercâmbio, além de todo o desenvolvimento acadêmico.

A Australian Centre é representante oficial da ATN, que reúne as melhores universidades da Austrália. Aproveite para se inscrever para o Programa Ciência Sem Fronteiras acessando nossa página.

Programa Ciência sem Fronteiras oferece bolsas de estudo no exterior

Planejado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação juntamente com o Ministério da Educação, o programa Ciência sem Fronteiras tem o objetivo de auxiliar estudantes que querem fazer intercâmbio na área de ciência e tecnologia.

A objetivo do projeto é oferecer mais de 100 mil bolsas de estudos para estudantes que cursam graduação e pós-graduação, permitindo estar em contato com o sistema de ciência e inovação, mantendo-se atualizado com o que há de mais moderno no mundo. O Governo quer investir na formação pessoal e intelectual de estudantes brasileiros para ter um crescimento competitivo futuramente e que agregue valor em áreas de pesquisa e tecnologia.

Aumentando a capacitação dos estudantes brasileiros

Além disso, a missão do programa é aumentar o aprendizado nessas áreas para as indústrias que necessitam deste conhecimento. Um dos fatores mais importantes é atrair jovens para a pesquisa científica e pessoal qualificado para trabalhar na indústria brasileira. Também é necessário aumentar as oportunidades para pesquisadores ou cientistas para exercer sua função tanto aqui no Brasil quanto no exterior.

Um fator fundamental é o investimento para as pessoas se capacitarem e no futuro terem uma carreira promissora a partir do intercâmbio, além de buscar ajudar o estudante com a bolsa de estudo em países como Austrália e Nova Zelândia. Com o cartão bolsista, o aluno pode realizar os estudos no exterior com incentivo do governo.

Os países destinados ao intercâmbio possuem locais específicos para brasileiros tirarem suas dúvidas referentes à bolsa. Quanto aos valores e benefícios, cada país tem uma variação de preço, incluindo auxílio para instalação e seguro saúde que integram o valor da bolsa.

As áreas para participar do Programa Ciência Sem Fronteiras

Os estudantes e pós-doutores do intercâmbio vão realizar treinamentos em melhores instituições e grupos de pesquisa que estarão disponíveis no momento. As áreas que são contempladas no programa são: engenharia e as demais áreas tecnológicas, ciências exatas, biologia e ciências biomédicas, computação e Tecnologia da Informação, tecnologia aeroespacial, fármacos, produção agrícola sustentável, petróleo, gás e carvão mineral, energias renováveis, tecnologia mineral, biotecnologia, nanotecnologia, biodiversidade, ciências do mar, indústria criativa (voltada para o desenvolvimento tecnológico e inovação), novas tecnologias de energia construtiva e por fim formação de tecnólogos.

Para entrar em contato e obter mais informações específicas, basta preencher o formulário no site da Australian Centre.

Encontro com os clientes em Brisbane e Gold Coast.

Felipe Pereira, Consultor Educacional Australian Centre, Sydney.

Minha visita a Gold Coast e Brisbane não foi só a passeio. Durante minha estadia encontrei diversos estudantes, que dividiram um pouco de suas experiências e frustrações por lá.

Meu primeiro encontro foi com a Marcella Lyra em Gold Coast, que chegou logo cedo na escola confessando ter sido um pouco difícil acordar para ir a aula pois na noite anterior  a maior parte dos estudantes tinham saído para uma baladinha no centro de Surfers Paradise.

Marcella Lyra estuda na Browns, Gold Coast.

A Marcella está estudando inglês neste momento, e pretende renovar seu visto para fazer um curso técnico de Business para poder desfrutar um pouco mais de sua estadia na Gold Coast e aproveitar a experiência do intercâmbio para investir na educação continuada dela.

Em Brisbane encontrei com o Henrique Ferraro, que ainda está indeciso para onde irá renovar o seu visto. Entre Brisbane e Perth, está decidindo entre qual programa fazer, mas quer continuar aperfeiçoando o seu inglês.

Henrique Ferraro estuda na Browns, Brisbane.

Conversamos sobre os cursos de Cambridge, IELTS e Business English.
Para quem ainda não sabe a grande diferença, o curso de IELTS é um preparatório de inglês acadêmico para quem pretende ingressar em uma TAFE (Escola técnica do governo da Austrália) onde a nota mínima para entrada é de 5.5 ou Universidades Australianas onde a nota varia entre 6.0 para cursos de Bacharelado e 6.5 para cursos de pós graduação. Esta certificação é válida  por pelo menos dois anos. Já o curso preparatório de Cambridge, é mais interessante para quem pensa em voltar para o Brasil com uma certificação reconhecida no mundo todo, principalmente por não perder sua validade. Este preparatório é dividido em 3 tipos principais:

FCE – First Certificate in English (Intermediário),

CAE – Certificate of Advanced English (Avançado),

CPE – Certificate of Proficiency in English (Proficiente).

A partir do General English, mais específico nível upper-intermediate, você já pode tentar entrar nestes cursos preparatórios e se estudar bastante quem sabe tirar um “A”, pois a prova é dividida entre as notas “A”, “B” e “C”, abaixo disso, as notas já não são consideradas como níveis competentes.

Julia Tigevisk, estuda na Viva College, Brisbane.

Nesta viagem encontrei pela primeira vez a Julia Tigevisk. Ela é uma cliente que foi atendida por mim quando eu ainda trabalhava na Australian Centre de São Paulo, porém todo o seu projeto foi feito online, pois como morava longe da nosso escritório não podia comparecer na Agência. Posso dizer que ela, desde o início, já se beneficiou com o atendimento que damos via Internet aos estudantes que vivem mais afastados.  A Julia está fazendo um curso de graduação tecnóloga em Business no momento, mas já pensa em fazer um curso mais avançado para agregar ainda mais conhecimento.

Também encontrei em Brisbane a Luanna Vieira. Que com apenas 18 anos já veio para a Austrália, melhorou o inglês, passou por cima da timidez e se sente confiante para voltar ao Brasil e dar continuidade a seus estudos!  Ela quer tirar proveito de sua vivência na Austrália e de seu aprendizado da língua para conseguir bons trabalhos devido aos grandes eventos que acontecerão no Brasil em 2014 e 2016.

Luanna Vieira tem apenas 18 anos e foi para a Austrália melhorar o inglês.

Mas, pensa em voltar para a Austrália depois disso para fazer algum curso profissionalizante ou quem sabe uma pós-graduação.

Esses são algumas das pessoas maravilhosas que encontrei nesta viagem, também gostaria de mencionar Aline Lima, Karina Mainenti, Raquel Barbosa, Thais Camata, Thais La Falce, Alexandre Facione que contatam um pouco de suas experiências dizendo que estão gostando muito de tudo que encontraram por aqui, que trabalho não anda tão fácil mas que com persistência tudo se resolve, que as festas e o surf são perfeitos e que dá uma preguicinha de acordar cedo no outro dia para ir a aula… mas todos concordam que vale muito a pena, pois quanto melhor seu inglês, maiores serão suas oportunidades.

Obrigado a todos por dividirem suas histórias conosco e contem sempre com a Australian Centre.

GOLD COAST e BRISBANE confira o que a nossa equipe foi fazer por lá.

G’day mates!!!

Meu nome é Felipe e sou consultor educacional da Australian Centre em Sydney!

Felipe Pereira, Consultor Educacional Australian Centre Sydney

Entre os dias 9 e 14 de Agosto, viajei para as cidades de Gold Coast e Brisbane e visitei algumas de nossas instituições parceiras (E, é claro, passeei um pouco também! Rs) agora escrevo aqui para contar um pouco desta viagem para vocês!

Gold Coast

Ahhhh a Gold Coast!!! A sensação para mim foi: “Nossa, como é bom voltar para casa!” Para quem não sabe, eu morei na Gold Coast alguns anos atrás, e posso dizer que foram uns dos melhores anos da minha vida!

Na minha opinião a Gold Coast é a cidade que melhor representa o “estilo de vida Australiano” que temos ideia quando estamos no Brasil. Sol, praia, gente bonita, badalação, agito!!!
Em minha chegada na quinta-feira, fui recepcionado com um calorzinho de verão que só a Gold Coast pode proporcionar mesmo durante os dias de inverno. Não que lá não faça frio, faz sim, mas geralmente durante a noite.
Nesta mesma noite, já saí para Surfers Paradise para rever velhos lugares que costumava frequentar… consegui rever alguns amigos e fiquei feliz de saber que estão super bem por lá. Fizeram faculdade, estão trabalhando nas respectivas áreas etc… Uma tarefa não muito fácil, mas que com muito esforço consegue-se colher bons frutos.

Surfers Paradise Beach

No dia seguinte, logo cedo parti para as visitas as excelentes escolas que representamos na cidade. Uma coisa que sempre me impressiona na Gold Coast, é que não importa aonde você vá, sempre vai passar pelas praias que parecem ter surfistas 24 horas na água ou pelos canais cheios de barcos estacionados nas mansões, e só de olhar essas coisas você já se sente mais relaxado e pensando “’É aqui que eu quero viver!!!”

No final de semana, fui em um lugar onde não tive a oportunidade de ir anteriormente, o SEA WORLD, que é um dos parques temáticos da Gold Coast, aliás a cidade é bastante conhecida por ter os melhores parques temáticos da Austrália.

Sea World

Neste parque, além das atrações com animais aquáticos, você pode curtir montanhas-russas e outras interatividades. Posso dizer que o que mais me impressionou foi o show dos golfinhos! Como pode aqueles serem tão bem treinados??? Recomendo a quem passar pela Gold Coast uma visita a este parque que fica em Main Beach, perto de Surfers Paradise.

No domingo, fui a Burleigh Heads, que é um “bairro” de uma praia linda, perfeita para o Surf. Passei por Currumbin Beach, que no meu ponto de vista tem a vista mais bonita de toda a Gold Coast. Terminando finalmente no bairro que eu morava Coolangatta! Daí pra frente foi só nostalgia. Pensamentos como: “Nossa, eu já trabalhei ali!”, “Caramba, eu lembro o dia que me esborrachei no chão de skate aqui!”, ou “Nossa, minha despedida foi exatamente naquele lugar!”

D’Bah (Lugar da despedida)

Pois é, passar pelo lugar onde foi minha despedida foi um dos melhores e mais estranhos momentos de minha curta visita a este bairro tão peculiar. As churrasqueiras na praia de D’bah… Não sei descrever direito o que senti naquele momento, mas acho que o que mais pensei foi: “Eu nunca imaginava que ia rever este lugar e agora estou aqui de novo! Como o mundo dá voltas!!!”
Enquanto estava perdido em meus pensamentos tinham pessoas surfando, observando baleias, andando de skate na orla, um mundo de coisas acontecendo no mesmo lugar.
Me senti muito bem, respirei fundo aquela brisa da praia e pensei: “Um dia ainda voltarei a morar aqui!”

Brisbane

South Bank

Brisbane fica somente à uma hora de distancia de Gold Coast de trem.
Andei muito a cidade inteira, e realmente pude concordar com o que li por aí: Brisbane é uma das cidades mais verdes do mundo! É um parque atrás do outro, imensos, South Bank com um tipo de “Calçadão” onde o pessoal faz exercícios, correm, ou simplesmente vão caminhar com seus cachorros e andar de bicicleta.
Por falar me bicicleta, uma coisa bem legal na cidade são as bicicletas que você aluga nas ruas! Nunca tinha visto isso! Mas funciona assim: Você compra e carrega um cartão, chega onde as bicicletas estão estacionadas, passa o cartão e pronto! A bicicleta é sua para usar o quanto quiser! Você devolve depois em qualquer outro ponto da cidade onde encontra o estacionamento de bicicleta, passa o cartão de novo então é debitado o valor do tempo que usou. Primeiro mundo? De primeira classe!!!

As "bikes"

Quando voltei a Sydney, comentei com amigos sobre esse sistema e a pergunta geral da nação foi: “Mas e a galera não rouba?”. Claro que não, né? Primeiro mundo gente! Pra que iriam roubar algo que podem ter de graça?
Tem um sistema que é divulgado no site de transporte que se caso você retornar a bicicleta a cada 30 minutos você não paga nada! É mais ou menos como fazer um checkpoint!
Bicicletas e parques? Quer combinaçao mais perfeita???

Também fiquei impressionado com a quantidade de igrejas e catedrais que tem na cidade! Parece que a cada esquina você encontra uma igreja mais bonita que a outra! A explicação foi dada pelo motorista que me levava até o aeroporto, Brisbane é a cidade onde a religião Cristã é mais forte na Austrália. Aliás, as pessoas são muito bem educadas e atenciosas em Brisbane. Se pergunta algo para alguém pode esperar que vai ter uma explicação bem detalhada sobre o tópico!

Pra quem gosta da vida noturna, Brisbane oferece uma grande variedade de nightclubs em Fortitude Valley, que aparentemente é para onde os estudantes vão! Digo aparentemente, pois infelizmente em uma viagem curta e cheia de reuniões não pude desfrutar deste benefício da cidade… quem sabe em uma próxima vez, pois certamente quero voltar pra lá com mais tempo!

Pois é isso, a viagem acabou, e durante esses dias encontrei vários estudantes da Australian Centre que hoje estão muito felizes, e alguns nem pensam em voltar tão cedo. Para eles e todos os outros, oferecemos toda assistência em consultoria de cursos, renovação de visto, etc… tudo isso online, por telefone, sinal de fumaça, etc… rsrsrs!!! Pois lembrem-se pessoal, no primeiro mundo tudo pode ser feito virtualmente!!!

Um grande abraço e see you soon mate!

Sorriso no rosto.

"trabalhamos sempre sorrindo"Sorriso no rosto.

É assim que a equipe da Australian Centre trabalha – sorrindo!

Por quê?

Porque realizamos sonhos!
Trabalhar o projeto de nossos clientes é a oportunidade que temos de auxiliar aqueles que buscam a experiência do intercâmbio cultural.

A Austrália é um país reconhecido pela sua qualidade de vida, suas belezas naturais e a excelência de ensino, seja para estudo do idioma ou para cursos profissionalizantes e universitários. Unindo um estilo de vida invejável com a possibilidade de trabalhar enquanto estuda, a Austrália se torna o destino ideal para quem busca obter desenvolvimento pessoal e profissional.

Para você que sempre sonhou em fazer um programa de intercâmbio, não perca a oportunidade de descobrir mais sobre as possibilidades que a Austrália traz para você.

E com muito sorriso no rosto seguimos…

Até a próxima! Equipe Australian Centre

Almoço da equipe Australian Centre, Perth.

A equipe da Australian Centre Perth se reuniu em um descontraído almoço no charmoso bairro de Subiaco.

Nesses encontros aproveitamos para falar um pouquinho do Brasil, dos nossos costumes e as diferenças entre viver na Austrália e no Brasil.

Nossa equipe é composta por brasileiros apaixonados pela Austrália, mas que respeitam e mantém muitos dos nossos costumes….é com essa experiência e vivência que nos sentimos preparados para receber os estudantes brasileiros em Perth…entender como as coisas funcionam lá e cá é fundamental.

…e que venham muitos outros encontros como esse…

…que aconteçam muitos outros almoços como esse…

Dicas sobre Austrália (e Nova Zelândia)

Surf, mergulho, gente de todas as partes do mundo, praias deslumbrantes e clima tropical. Se você quer intensificar sua experiência de intercâmbio, eu posso te recomendar um lugar com toda certeza: vá pra Austrália!

Depois de dois anos incríveis vividos lá e há oito anos trabalhando na área de intercâmbio cultural para a Austrália e Nova Zelândia, descobriu lugares de todos os sabores, variando entre históricos, exóticos, modernos, rústicos, cheios de cultura ou com natureza deslumbrante.

Então, se escolher este destino, não deixe de…

Explorar o bairro histórico “The Rocks”, com seus variados souvenir e pubs temáticos.

The Rocks - Sydney

Assistir a um espetáculo na “Opera House”, um dos símbolos e principais cartões postais da Austrália.

Marcela no Opera House em Sidney

Navegar pela baía de Sydney e ter uma visão paronâmica digna de um cartão postal.

Baía de Sydney

Outro cartão postal da cidade é a Harbour Bridge, com seus 134 metros de altura se impõe no cenário. Vale à pena fazer uma caminhada sobre a ponte, que liga o Norte e o Centro de Sydney.

Harbor Bridge

Visitar os zoológicos da cidade para ver os cangurus e coalas, animais típicos da Austrália. Os animais também podem ser vistos na natureza, nas praias e parques mais afastados das cidades.

Marcela e o Coala

Mergulhar nas águas cristalinas da Grande Barreira de Corais (Great Barrier Reef) em Cairns e Whitesundays. É uma experiência simplesmente fantástica!

Australia - Great Barrier Reef

Depois de ter explorado bem a Austrália e manter seu apetite por aventura, não deixe também de programar uma viagem para a Nova Zelândia. O país é incrível. Se você é o tipo aventureiro então, é o melhor lugar para praticar esportes de aventura, como saltar de Bung Jump. E, quando voltar, não vai se esquecer de trazer algumas peças do artesanato aborígene e maori pra mim por essas dicas muito boas, vai?